Você está aqui

Art Street Amazônia: Contra o desmatamento e a favor da população indígenas

Art Street Amazônia: Contra o desmatamento e a favor da população indígenas

Ao invés de spray, tintas de paredes ou uma mensagem em graffiti na cidade, o fotógrafo e artista ativista Philippe Echaroux, escolheu a floresta tropical brasileira como tela dramática do projeto artístico Street Art 2.0 (Arte de Rua 2.0) para transmitir um poderoso apelo contra o desmatamento e o desrespeito à população indígena.

Apesar do projeto levar um nome urbano, o primeiro lugar que Philippe escolheu para realizar sua arte foi na floresta amazônica, onde não há rua e o resultado foi incrível!

Echaroux iluminou alguns pontos da floresta amazônica com projeções de luz dos rostos da tribo Suruí, com a intenção de mostrar que essas pessoas são vítimas do desmatamento maciço e de lavadores de ouro que não hesitam em violar o território indígena.

Ao ilustrar os rostos inflexíveis das pessoas cujas vidas são diretamente afetadas, o artista espera lembrar à comunidade internacional a ameaça ambiental atual do desmatamento e da exploração madeireira ilegal na região.

Em entrevista ao Daily Mail, Echaroux descreve a inspiração por trás do projeto dizendo que “quando você corta uma árvore, é como derrubar um homem”. Por isso, essa intervenção tem dois apelos: contra o desmatamento e a favor da população indígena.

Assista o processo do Street Art Amazônia: 

Première Mondiale: du Street Art au coeur de la Forêt Amazonienne - World First Street Art in the Rainforest. from pays-imaginaire.fr on Vimeo.

Para saber mais sobre o Philippe Echaroux, acesse aqui

Comentários